Pesquisar este blog

Carregando...

terça-feira, 9 de abril de 2013

FUI TRAÍDO! O QUE EU FAÇO?



Quando acontece a traição, a vítima normalmente tende a descarregar toda a raiva, frustração e culpa na pessoa que traiu. Mas neste momento, é necessário colocar os pés no chão e analisar toda a situação, a ponto da “vítima” conseguir identificar os seus próprios erros. Sei que não é fácil, mas um adultério não acontece de uma hora pra outra e sem motivos. Se aconteceu, é porque algo já não estava bem há muito tempo. Isso não isenta o adúltero da culpa, é claro, mas é necessário que todas as questões sejam colocadas na balança com maturidade e respeito. Talvez você precise de alguns dias para conseguir encaixar as peças do quebra-cabeça, se acalmar, respirar fundo e tentar uma comunicação eficaz. Quando acontece um adultério, toda a família fica prejudicada. São marcas profundas que permanecem por muitos anos. Não piore a situação com gritarias, agressões e ofensas, ainda mais se existirem filhos. Busque forças em Deus para agir com maturidade.



Se foi a primeira vez que aconteceu, se não há nenhuma ligação emocional com a pessoa em questão e se seu cônjuge está arrependido e disposto a restaurar o relacionamento, não exito em dizer: PERDOE! Ninguém está isento de trair, nem mesmo você. A traição, diante de Deus, é um pecado como outro qualquer. É claro que para o ser humano costuma ser muito mais dolorido e difícil de superar, mas para Deus tem o mesmo peso que qualquer outro pecado, e deve ser encarado como tal. É necessário reconhecer o erro, pedir perdão sincero a Deus e ao cônjuge e buscar a transformação. Lembrando que: "Qualquer que olhar para uma mulher para desejá-la, já cometeu adultério com ela no seu coração" Mt 5:28. Se o seu cônjuge te traiu, mas você vive desejando outras pessoas em pensamento, tá reclamando do que amigo(a)? Precisamos vigiar, pois Deus está de olho nas intenções do nosso coração.



Continuando, existe também a possibilidade do "réu" ainda estar apaixonado pelo(a) amante, mas por conta de sua maturidade, ou quem sabe pelos filhos, ainda esteja disposto a lutar pelo casamento. Neste caso, PERDOE TAMBÉM! Vai ser muito mais difícil e dolorido, mas se há disposição de ambos os lados, é completamente possível restaurar o relacionamento. O primeiro passo é fazer com que o "traidor" corte qualquer tipo de relação com o(a) amante Ele terá que reconquistar a sua confiança, e para isso, deverá responder a todos os tipos de questionamentos, quantas vezes forem necessárias. Isso faz parte da cura.

Além disso, nada deve ser encoberto. Celulares, e-mails e senhas deverão estar à sua disposição. Essa atitude mostra que ele(a) não tem mais nada a esconder e que está disposto(a) a fazer o que for preciso para recuperar a sua confiança. Caso não haja esta disposição, é porque ainda há o que esconder. E se você aceitar viver dessa maneira, prepare-se, pois o fantasma da traição vai te assombrar ainda por muito tempo. A parte traída tem todo o direito de desconfiar e fuçar a vida do "traidor", o tempo que for necessário. É uma consequência do erro, e se há o desejo de restauração, é assim que deve ser, até que a confiança seja recuperada.



Outra situação – e a mais difícil - é quando o adúltero está tão envolvido e apaixonado pelo(a) amante que não deseja de forma alguma permanecer no casamento. Neste caso, eu acho que você deve... PERDOAR TAMBÉM! Vamos esclarecer: Perdão é uma decisão, aliás, uma ordem que Jesus nos deixou: "Senhor, até quantas vezes deverei perdoar meu irmão quando ele pecar contra mim? Até sete vezes? E Jesus respondeu: Eu lhe digo, não até sete, mas até setenta vezes sete." Mt 18:21 e 22 e "Pois, se perdoarem as ofensas uns dos outros, o Pai celestial também lhes perdoará. Mas se não perdoarem uns aos outros, o Pai celestial não lhes perdoará as ofensas". Mateus 6:14-15



Quando você perdoa alguém, não significa que vai esquecer tudo o que aconteceu e sair por aí pulando de alegria. É óbvio que não. Perdão é uma decisão diária. Ele(a) te fez mal? Sim, mas decida retribuir este mal com amor. Não falo do amor fantasioso, mas sim do amor decidido. Faça o bem sempre que for possível e necessário, não deseje o mal, não ataque com palavras ou atitudes, não alimente maus pensamentos e ore constantemente para que Deus transforme a situação e coloque bons sentimentos pela pessoa em questão. Não é fácil fazer isso, claro que não! É um esforço diário e que muitas vezes chega a ser sobrenatural.

Perdoar também não significa conviver. Se uma pessoa matar sua filha e você decidir perdoá-lo, não quer dizer que terá que conviver para provar que o perdoou, certo? A mesma coisa acontece no caso de um adultério. Se seu esposo decidir permanecer no erro, ou seja, continuar saindo com uma terceira pessoa, você não tem obrigação nenhuma de insistir no relacionamento. A sua única obrigação é a de amar:

"Amem os seus inimigos e orem por aqueles que os perseguem, para que vocês venham a ser filhos de seu Pai que está nos céus... Se vocês amarem aqueles que os amam, que recompensa receberão? E se vocês saudarem apenas as pessoas que gostam, o que estarão fazendo de mais? Até os descrentes fazem isso! Portanto, sejam perfeitos como perfeito é o Pai celestial de vocês" Mateus 5:44 e 46 à 48

Sei que a dor de uma traição ou de um divórcio é imensa, praticamente insuportável para quem foi traído. Nunca senti na pele, mas já acompanhei amigos queridíssimos que passaram por esta situação. Segundo eles, a dor do divórcio chega a se comparar a dor da morte. Para você que está vivendo esta realidade, recomendo o livro "Antes de Dizer Adeus, de Jaime Kemp". Ele é ótimo para auxiliar casais que estão a beira do divórcio ou passando por ele.



Enfim, se o seu caso é este último, busque durante um bom tempo a direção em Deus. Peça a Ele que te mostre se deve ou não lutar por este relacionamento. Pode ser que com o tempo o cônjuge se arrependa, neste caso, ainda há esperança para restauração, caso contrário, livre-se da tortura! Não seja masoquista: "Todavia, se o descrente separar-se, que se separe. Em tais casos, o irmão ou a irmã não fica debaixo de servidão. Deus nos chamou para vivermos em paz". 1 Coríntios 7:15. Conheço pessoas que sofrem com a constante traição do marido/esposa e mesmo assim insistem no relacionamento. Optam por viver o inferno em vida.

Se o seu cônjuge te traiu e ainda te trai, se não demonstra arrependimento, mudança e disposição de restaurar o relacionamento, não há porque continuar neste inferno, a não ser que você tenha uma direção clara de Deus para isso. Enxergo essa situação como o relacionamento entre uma mãe e seu filho desobediente. Qualquer pessoa sabe que uma criança só aprende a lição quando é disciplinada, algumas vezes pela pelos pais e outras pela própria vida. Imagine uma mãe que não faz nada para educar e disciplinar seu filho, apenas distribui carinhos, presentes e ora?

Uma pessoa que insiste em trair seu cônjuge e não busca transformação, precisa ser disciplinada pela vida e receber um belo choque de realidade. Talvez esta seja a sua única chance de transformação. Se você tem acolhido o seu cônjuge traidor, lavando sua roupinha, fazendo toda a comidinha, arrumando a sua casinha e dado aquela transadinha, desculpe dizer, mas você está sendo complacente com o pecado. É como a mãe que abre diariamente a carteira para seu filho dependente de drogas. Espera-se o que de uma situação como esta?

Busque forças, sabedoria e direção em Deus. Ore, jejue e leia a Bíblia diariamente, em especial os Evangelhos. Transmita o caráter de Cristo em suas palavras e ações. Se entregue nas mãos do Senhor e aprenda a viver no sobrenatural. "Porque a loucura de Deus é mais sábia que a sabedoria humana, e a fraqueza de Deus é mais forte que a força do homem". 1 Cor 1:25. Sabe quando um filho amedrontado agarra as mãos do pai com todas as suas forças quando está com medo? Então, faça isso com o seu Paizão! Ele tem o melhor para aqueles que o buscam.


Leia também: Minha esposa me traiu... Caso verídico
Meu marido me deixou... Será que tem volta?

Então Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: "Senhor, quantas vezes deverei perdoar a meu irmão quando ele pecar contra mim? Até sete vezes? "

Jesus respondeu: "Eu lhe digo: não até sete, mas até setenta vezes sete.
Mateus 18:21-
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...